EXISTIMOS PARA O SERVIR

EXISTIMOS PARA O SERVIR
EMMÉRY MACEDO - COMERCIAL - NIF 2405252392

ADVERT

DEIXE QUE ALGUÉM AQUI, AJUDE-LHE A ENCONTRAR A MELHOR SOLUÇÃO...

SERVIÇOS DE QUALIDADE À BAIXO PREÇO...


Monday, 23 August 2010

CURTO-CIRCUITO

Curto-circuito é a passagem de corrente elétrica acima do normal em um circuito devido à redução abrupta da impedância do mesmo. Normalmente o curto-circuito provoca danos tanto no circuito elétrico em que ocorre como no elemento que causou a redução de impedância.

Um exemplo de curto-circuito, que acidentalmente é comum em residências, ocorre quando se coloca as extremidades de um fio metálico nos orifícios de uma tomada. Geralmente os curto-circuitos provocam reações violentas devido à dissipação instantânea de energia, tais como: explosões, calor e faíscas. É uma das principais causas de incêndios em instalações elétricas mal conservadas ou com erros de dimensionamento.

A análise de curto-circuitos é uma disciplina da engenharia eléctrica que utiliza ferramentas matemáticas, tais como os componentes simétricos, para calcular os curto-circuitos.

É importante salientar que os engenheiros classificam um curto-circuito como sendo uma região num circuito elétrico na qual a diferença de potencial é nula.

O objetivo principal dessa disciplina é dimensionar e ajustar adequadamente os equipamentos de proteção de geradores, linhas de transmissão e de redes de distribuição de energia elétrica.

Existem vários tipo de curcto circuitos:
- Trifásico, bifásico, monofásico a terra, bifásico a terra, etc...

Para a o cálculo de correntes de curto-circuito é necessário conhecer o sistema eléctrico, as características dos seus componentes, como por exemplo; a impedânciacia dos tranformadores (Z), dos cabos/condutores elétricos, geradores, contribuições dos motores, etc...

Normalmente, a impedância de um transformador é expressa em percentagem (%Z). Esse valor geralmente é indicado nas placas de identificação dos transformadores. Por exemplo, Z = 5%.

O que é entao a percentagem Z (%Z)?

A impedância percentual do transformador é a queda de tensão em plena carga, devido à resistência e reactância de dispersão do enrolamento, expressa em percentagem da tensão nominal. É também o percentual da tensão normal dos terminais, necessários para circular a corrente total em condições de curto-circuito

%Z = (Tensão da impedância)/(Tensão Nominal)

É fácil calcular a corrente máxima que um transformador pode fornecer em condições de falhas simétricas. A título de exemplo, considere um transformador de trifásico de 11kV/6.6kV, 2MVA com uma impedância de 5%. O nível de falha máximo disponível é:

2 MVA x 100/5 = 40 MVA. Este valor normalmente é denominado de Potência aparente de curto circuito.

A partir deste valor as correntes de falhas equivalentes podem ser calculadas, usando a formula convencional:  I = S / (√3 V), onde S é a potência aparente de curto circuito e V a voltagem entre as fases.

Deste forma, obteriamos as seguintes correntes de curto circuito:
Primário: 2.1 kA
Secundário: 3.5 kA

Um transformador com uma baixa impedância conduzirá a um maior nível a falha eléctrica (e vice-versa). O número calculado acima é o máximo.

Na prática, o nível de falha real será reduzido pela impedância da fonte, a impedância dos cabos/linhas de transmisão entre o transformador e a falha, e a impedância da falha eléctrica.

Na prática, as falhas eléctricas nem sempre são simétricas ou trifásicas, o que torna o cálculo da corrente de curto circuito ainda mais complexo. O cálculo acima ilustra apenas uma falha trifásica balanceada nos terminais de um transformador.

Para falhas não simétricas (bifásico a terra, monofásico a terra, etc), cálculos complexos são efectuados recorrendo-se a teoria de componentes simétricos. Contudo, isso involve o uso de impedâncias de sequências positivas, negativas e zero (Z1, Z2 e Z0 repectivamente).

Os cálculos de fluxo de carga, protecção eléctrica e curto circuito são normalmente feitos pelas empresas de consultoria. As vezes o recursos a Softwares como ETAP, SKM, etc... são indispensáveis.

A abordagem de cálculos de correntes de curto-circuito será objecto de análise de um artigo a ser publicado nesse blog futuramente.

Emméry Macedo

Friday, 20 August 2010

Os pássaros não apanham um choque eléctrico quando estão pousados sobre o condutor de uma linha eléctrica. Porquê?

O pássaro não apanha choque porque tem as duas patas pousadas sobre o mesmo condutor, logo não estão sujeitas a potenciais diferentes, pelo que não existe passagem de corrente através do corpo. O que provoca o choque eléctrico é a passagem da corrente através do corpo e não o contacto com a tensão.

No entanto, se ao levantar o voo a ave tocar em simultâneo em dois condutores distintos, ou entre um deles e a massa (parte metálica do poste ligada à terra) então já haverá passagem de corrente e o consequente choque eléctrico.

Porque razão uma pessoa ao tocar apenas num condutor pode apanhar um choque eléctrico?


Porque a pessoa está normalmente em contacto directo ou indirecto com o chão, e como a rede de distribuição tem, por razões de segurança na exploração, o neutro ligado à terra (terra de serviço), então a pessoa já está naturalmente em contacto com um ponto ao potencial zero.

Ao tocar no condutor que está a um potencial diferente, dá origem à passagem da corrente através do corpo, ou seja apanha um choque eléctrico.

Wednesday, 18 August 2010

Urina pode deixar de ser um resíduo para se tornar um combustível útil



A equipe do Laboratório de Robótica de Bristol (BRL) está investigando o uso de urina em Celulas combustiveis Microbials (CFM), que usam as culturas de bactérias que decompõem o material orgânico para gerar energia. CFM é uma tecnologia usada para desenvolver o poder de robôs autônomos.

Pesquisadores em BRL, uma colaboração entre a Universidade de Bristol e da Universidade de West of England (UWE), passaram três anos e meio, desenvolvendo um robô de águas residuais, alimentado com o estômago artificial, graças ao financiamento da UE e EPSRC.

Agora, o Doctor da BRL Loannis Leropoulos foi galardoado com o premio da EPSRC -Aceleração de carreira no valor de £ 564,561 para um projeto de quatro anos, que vai levar este trabalho adicional. Juntamente com uma nova equipa de investigadores, ele vai trabalhar na ampliação do CFM para que eles possam trabalhar juntos em uma "pilha" - uma série de células conectadas eletricamente e tanto em termos de alimentação líquida de linhas no âmbito de um sistema de fluxo contínuo.

Um aspecto único de sua pesquisa será olhar para o uso da urina como material de resíduos que poderiam ser usados para alimentar o CFM.

"Nós nos concentramos em encontrar os melhores materiais de resíduos que geram mais energia. Ao longo dos anos, temos alimentado nossos CFMs com fruta podre, grama cortada, cascas de camarão e moscas mortas em uma tentativa de investigar os resíduos diferentes de usar como um "alimento" para o CFM ", explicou Leropoulos.

"A urina é quimicamente muito ativa, rica em nitrogênio e tem compostos como a uréia, cloreto e potássio, que o tornam muito bom para o CFM. Já fizemos testes preliminares que mostram ser um material residual que é muito eficaz. Embora seja cedo para essa pesquisa, esperamos poder trabalhar no sentido de produzir um protótipo mictório portáteis que usam urina para gerar energia a partir de células de combustível - este poderia ser usado, por exemplo, em festivais de música e outros eventos ao ar livre. "

Os pesquisadores já estão em contato com urinal waterless - empresa Ecoprod Técnica, que viu o potencial da tecnologia. "Temos conversado com os pesquisadores que dizem que este produto é o único tipo totalmente adaptado para complementar esta pesquisa", disse Marcus Ecoprod Rose. "Estamos ansiosos para colaborar com esse projeto único, com o fornecimento de Urimat - o mictório sem água, que a equipe de pesquisa escolheu. Esta será uma valiosa colaboração e interessante para a empresa involvida "

Um outro aspecto do projeto EPSRC-financiado é desenvolver o lado do cátodo da CFM para que toda a célula se torna auto-sustentável. Cada CFM tem um ânodo e um catodo, que, juntos, completam o sistema para gerar energia. bactérias comumente estão no lado do ânodo e o oxigênio são substâncias químicas ou no lado do cátodo. A substituição das substâncias químicas no cátodo com oxigênio produzindo organismos como as algas moveria o CFM para ser um sistema auto-sustentável - os resíduos das algas podem ser usado para alimentar bactérias no lado do ânodo, ou seja, utilizando seus próprios resíduos para produzir energia .

Dr Leropoulos disse: "Os avanços nessa área poderiam fornecer uma contribuição significativa para os desafios que enfrentamos atualmente em termos de produção de energia e resíduos de limpeza. Esperamos que esta pesquisa ajudará a mudar a nossa maneira de pensar sobre a energia e os resíduos humanos. "

Fonte: IET – Institute of Engineering and Technology
http://kn.theiet.org/news/jul10/urine-power.cfm

Thursday, 12 August 2010

Carros eléctricos


Há novidades na Mercedes. A marca alemã quer apanhar o comboio dos carros eléctricos (isto dito assim soa estranho!). A próxima geração do Mercedes Classe S deverá ter um elemento híbrido de ligar à tomada (plug-in). Quem o adiantou foi Thomas Weber, director de Pesquisa e Desenvolvimento da Mercedes em entrevista concedida recentemente. A somar a esta novidade está o anúncio de que os primeiros Mercedes Classe A E-Cell, que são a versão eléctrica do compacto alemão, chegam já em Outubro próximo.

Ainda não se sabe tudo sobre o primeiro eléctrico da Mercedes, mas já é do conhecimento público que o Classe A E-Cell irá contar com um motor eléctrico debitando uma potência aproximada de 130 cavalos, e que o veículo será recarregável em qualquer tomada eléctrica. A autonomia do Mercedes Classe A E-Cell permite-lhe rolar durante aproximadamente 160 km, um valor que não destoa da média anunciada pelos primeiros veículos eléctricos que estão a começar a chegar ao mercado.
My photo
Luanda, Angola
Consultoria e Prestação Serviços powered by Emméry Macedo - Engenheiro Eletrotécnico, BTECH, BEST CUM LAUDE, pela Durban University of Technology (DUT), Galardoado pelo Institute of Professional Engineering Technologists (IPET), Bacharel em Ciências Matemáticas pela Faculdade de Ciências da Universidade Agostinho Neto de Angola, Professor de Matemática e Física pelo IMNE- Garcia Neto, Professor de Electrόnica de Potência da Universidade Metodista, membro do IET - Institution of Engineering and Technology MIET nº 91651226, membro da Ordem dos Engenheiros de Angola OEA nº 2924, com certificação em ETAP, SKM, HV Switching, SAEP, etc...

Consultoria num click....