EXISTIMOS PARA O SERVIR

EXISTIMOS PARA O SERVIR
EMMÉRY MACEDO - COMERCIAL - NIF 2405252392

ADVERT

DEIXE QUE ALGUÉM AQUI, AJUDE-LHE A ENCONTRAR A MELHOR SOLUÇÃO...

SERVIÇOS DE QUALIDADE À BAIXO PREÇO...


Tuesday, 6 December 2016

Albufeira da barragem de Laúca começa a receber água em Fevereiro de 2017

A albufeira do aproveitamento hidroeléctrico de Laúca começa a receber água a partir de Fevereiro de 2017, processo que vai demorar 120 dias até atingir a altura mínima para permitir o início da produção de energia eléctrica, afirmou o director do projecto.

Elias Estevão disse ao Jornal de Angola que decorre actualmente a instalação das linhas de transporte de energia que vão ligar Laúca à barragem de Capanda, cujas obras ficam concluídas no final deste mês e acrescentou que vão ser ainda construídas as linhas de transporte de energia de Laúca/Cambambe, Laúca/Cacuso/Calandula e Malanje.

A barragem de Laúca, que é considerada o maior projecto de engenharia civil e mecânica de Angola, está localizada a 47 quilómetros do Aproveitamento Hidroeléctrico de Capanda, situada em Malanje e a 400 quilómetros de Luanda.

Com um investimento de cinco mil milhões de dólares, envolvendo a construção, produção, fornecimento e colocação em serviço do sistema de transporte de energia, o empreendimento hidroeléctrico de Laúca é a terceira barragem em construção no leito do rio Cuanza, depois de Cambambe e Capanda e a segunda maior em construção no continente africano.

A barragem tem uma altura de mais de 100 metros, o equivalente a um edifício de 44 andares, e ocupa uma área de 24 mil hectares, albufeira incluída.

A entrada em funcionamento da central principal, a partir do primeiro semestre do próximo ano, vai beneficiar mais de cinco milhões de pessoas das regiões norte, centro e sul de Angola.
O projecto surgiu a partir de um estudo de inventário realizado na década de 1950, solicitado pela então empresa pública Sociedade Nacional de Estudo e Financiamento de Empreendimentos Ultramarinos (Sonefe) à empresa Hydrotechnic Corporation (USA), que foi retomado em 2008, com a realização dos estudos de viabilidade solicitados pelo governo angolano ao grupo brasileiro Odebrecht.

As obras para o desvio do rio compreenderam a escavação de dois túneis na margem direita do Cuanza, de 14 metros e meio de diâmetro, e duraram 20 meses e a segunda fase do projecto incluiu a construção da obra principal, a central principal e central ecológica e a terceira fase inclui a componente electromecânica e de linhas de transporte.


Fonte: Jornal de Angola
My photo
Luanda, Angola
Consultoria e Prestação Serviços powered by Emméry Macedo - Engenheiro Eletrotécnico, BTECH, BEST CUM LAUDE, pela Durban University of Technology (DUT), Galardoado pelo Institute of Professional Engineering Technologists (IPET), Bacharel em Ciências Matemáticas pela Faculdade de Ciências da Universidade Agostinho Neto de Angola, Professor de Matemática e Física pelo IMNE- Garcia Neto, Professor de Electrόnica de Potência da Universidade Metodista, membro do IET - Institution of Engineering and Technology MIET nº 91651226, membro da Ordem dos Engenheiros de Angola OEA nº 2924, com certificação em ETAP, SKM, HV Switching, SAEP, etc...

Consultoria num click....