EXISTIMOS PARA O SERVIR

EXISTIMOS PARA O SERVIR
EMMÉRY MACEDO - COMERCIAL - NIF 2405252392

ADVERT

DEIXE QUE ALGUÉM AQUI, AJUDE-LHE A ENCONTRAR A MELHOR SOLUÇÃO...

SERVIÇOS DE QUALIDADE À BAIXO PREÇO...


Tuesday, 16 May 2017

RECRUTAMENTO - TÉCNICO DE MANUTÊNÇÂO DE REDE DE DISTRIBUIÇÂO ELÉCTRICA.



A ERM Macedo - Comercial é uma empresa jovem formada do primeiro blogue de engenharia de electricidade – Angola Power Services, criado exclusivamente por engenheiros Angolanos.

Somos uma empresa de consultoria e prestação de serviços electro-mecânico. Temos engenheiros, técnicos e mão de obra especializada e comprometida com a segurança e qualidade na prestação de serviços. O nosso core business engloba os seguintes serviços:

Ø  Reparação e Manutenção de Instalações Eléctricas.
Ø  Instalação e Manutenção de Fontes de Tensão Ininterruptas (UPS).
Ø  Investigação e Soluções de Possíveis Curto-Circuitos.
Ø  Revisão e Reparação de Instalações Eléctricas.
Ø  Instalação e Manutenção de Grupo de Geradores Eléctricos.
Ø  Instalação de Sistemas de Transferência Automática.
Ø  Estudos de Fluxo de Cargas, Quedas de Tensão e Curto-Circuito.
Ø  Estudos de Protecção Eléctrica, Coordenação e Selectividade.
Ø  Especificação Técnica e Dimensionamento de Equipamentos.




Com vista a expandir os nossos serviços, estamos a criar uma equipa para a prestação de serviços de manutenção de Rede de Distribuição de Electricidade. Nesta conformidade, estamos a recrutar Técnicos de Manutênção de Rede de Distribuição com o seguinte perfil de conhecimentos e experiência:

Habilitações Literárias: Curso Médio em Electricidade – 12ª Classe ou Formação Profissional Certificada Equivalente

Experiência, Conhecimentos e Habilidades:

- Experiência em manutenção e testes em transformadores Eléctricos, incluindo isolamento, aterramento, continuidade e resistência dielétrica.
-  Experiência em executar obras de manutenção e melhoria na rede eléctrica.
- Experiência de instalação, reparação e terminação de cabos eléctricos
- Experiência em substituição e manutenção de isoladores eléctricos.
- Experiência em escalar torres e postes eléctricos
- Conhecimento de Normas e Regulamento de Segurança.
- Conhecimento de sistemas de aterramento.
- Conhecimento em elaboração, execução e controlo de planos de manutenção.
- Capacidade em desenvolver trabalhos em altura.

Os interessados devem enviar as suas candidaturas, incluindo CV e Certificados para o nosso correio electrónico : angolapowerservices@gmail.com 












ERM Macedo – Comercial
Viana, Luanda-Sul (Projecto Morar)
QG-4, No. 21
Tel:+244 925 213080 / 928 616640

Luanda-Angola

Wednesday, 12 April 2017

E SE ANTES DE LAÚCA CONSTRUÍSSEMOS UMA INGULA?

E tudo começou por causa de uma discussão sobre os constantes cortes de energia eléctrica, devido ao enchimento da albufeira da barragem hidroeléctrica de Laúca. Durante a discussão defendíamos que esse problema podia ser minimizado se tivéssemos em Angola a Ingula.

O que é a Ingula? Ingula é o nome da Maior Central Hidroeléctrica de Armazenamento Bombeado Sul Africana, recentemente inaugurada pelo Presidente Jacob Zuma, para ajudar a resolver o problema da demanda energética excessiva durante os períodos de pico ou seja de maior consumo de energia eléctrica. 

A central de Ingula produz uma potência de 1.332 Megawatts (MW) e serve para injectar uma potência adicional a rede Sul-Africana durante o período de maior demanda energética. Construída desde 2005 com um orçamento de USD 3.5 biliões de dólares, a barragem de Ingula permite hoje a estabilidade do fornecimento de energia na região de Kwazulu-Natal e Free State.



E como é que uma Ingula iria ajudar-nos nesse momento? Ora bem, vamos então entender como funciona uma barragem hidroeléctrica de armazenamento bombeado.

Uma barragem de armazenamento bombeado tem dois reservatórios:

Reservatório superior - como uma barragem hidroeléctrica convencional, uma barreira cria o reservatório. A água neste reservatório passa pela barragem hidroeléctrica e gera a electricidade;

Reservatório inferior - a água que sai da barragem hidroeléctrica superior é armazenada em um reservatório inferior em vez de voltar para o rio;

Utilizando uma turbina reversível, a barragem pode bombear a água de volta para o reservatório superior. Isto é feito normalmente nos horários fora do pico energético ou seja no período de menor consumo de energia eléctrica. Em resumo, o segundo reservatório preenche o reservatório superior. Ao bombear a água de volta para o reservatório superior, a barragem tem mais água para gerar electricidade durante os horários de pico de forma cíclica.

Neste caso, a barragem consome energia eléctrica da linha de transmissão, durante o período de menos consumo energético, para encher a reservatório superior funcionando de forma reversível.



Um outro exemplo semelhante a Ingula é a central hidroeléctrica reversível de Bath Country - A maior central hidroeléctrica reversível do Mundo. Com uma potência total superior a 2.700 MW desde a sua modernização, Bath County mais uma vez se tornou na usina hidroeléctrica reversível mais potente do mundo. Durante quase 20 anos, a barragem hidroeléctrica reversível de Bath County, no estado da Virgínia, nos EUA, foi a maior usina de sua categoria ajudando a manter a resposta a demanda energética.



Mas como é que a barragem como a Ingula iria nos ajudar nesse momento se todas as barragens estão localizadas ao longo do mesmo rio – O rio Kwanza? Uma central hidroeléctrica reversível pode ser construída num ramal adjacente ao rio, onde a água é somente desviada para o enchimento dos dois reservatórios, sem impedimento ao fluxo normal do rio.

Se tivéssemos uma Ingula, teríamos a vantagem de utilizar a mesma para dar resposta a demanda energética actual, sem no entanto condicionar significativamente o enchimento da barragem de Laúca. Com uma Ingula podíamos usar a mesma água para produzir energia durante 10 horas sem prejudicar o enchimento da albufeira de Laúca.

A quantidade de água usada para gerar a energia podia de forma cíclica ser bombeada para o reservatório superior respondendo assim a próxima demanda energética.


Contudo, depois de Laúca. teremos a construção da barragem hidroeléctrica de Caculo-Cabaça. Será que também passaremos pelos mesmos problemas durante o enchimento da sua albufeira?  Espero que não… 

Continuamos a espera da nossa Ingula para dar resposta a demanda energética, que continua a aumentar com o desenvolvimento de Angola.

Hoje a África do Sul já conta com duas Barragens Hidroeléctrica de Armazenamento Bombeado - Ingula (1.332 MW) e Drakensberg (1.000 MW)



Compilado por:

Emméry Macedo
Eng. Electrotécnico - MIET
Angola Power Services

Ref: Eskom, SA
My photo
Luanda, Angola
Consultoria e Prestação Serviços powered by Emméry Macedo - Engenheiro Eletrotécnico, BTECH, BEST CUM LAUDE, pela Durban University of Technology (DUT), Galardoado pelo Institute of Professional Engineering Technologists (IPET), Bacharel em Ciências Matemáticas pela Faculdade de Ciências da Universidade Agostinho Neto de Angola, Professor de Matemática e Física pelo IMNE- Garcia Neto, Professor de Electrόnica de Potência da Universidade Metodista, membro do IET - Institution of Engineering and Technology MIET nº 91651226, membro da Ordem dos Engenheiros de Angola OEA nº 2924, com certificação em ETAP, SKM, HV Switching, SAEP, etc...

Consultoria num click....